Aluno com baixa visão: lista completa de adaptações para inclusão em sala de aula

14/02/2018 5 Por Maria Amélia M. Franco
Aluno com baixa visão: lista completa de adaptações para inclusão em sala de aula

Você sabia que o aluno com baixa visão pode participar na sala de aula em condição de igualdade de oportunidade em relação aos demais colegas? Isso é inclusão e ela é possível.

Primeiro, é importante compreender a diferença entre integração e inclusão. São conceitos bem diferentes. A doutora em Psicologia, Suely Franca, explica que integrar é colocar junto e colocar junto não quer dizer fazer parte.

Ou seja, a criança precisa ser atuante no processo de aprendizagem e ser produtiva. Assim, o aluno com baixa visão deve ter acesso a todos os recursos que proporcionem a ele condições de aprender usando da melhor forma a visão que lhe resta (ou o seu resíduo visual).

Mas que recursos são esses? Hoje vou falar apenas de alguns: os auxílios não ópticos, que são adaptações nos materiais didáticos e no ambiente da sala de aula.

Entender as dificuldades ou potencializar o aprendizado?

É preciso mais que buscar apenas entender as dificuldades do educando. É preciso vislumbrar possibilidades de potencializar o uso da visão e dos demais sentidos para ele aprender.

Portanto, é natural que o aluno com baixa visão apresente velocidade de leitura e habilidade para copiar reduzidas. Porém, ao demonstrar falta de interesse e constante distração ele está revelando que o plano de aula, o ambiente e/ou a dinâmica do professor não estão adequados às suas necessidades.

Eliana Cunha, ortoptista especialista em baixa visão e psicologia da educação, explica que a qualidade da percepção visual depende da combinação de diversos fatores como o tamanho, o contraste, a cor e a iluminação.

Ela reponde pela área de educação inclusiva da Fundação Dorina e apresenta vídeo-aulas no portal Trocando Saberes, um dos projetos da fundação. Os vídeos explicam o que o professor deve observar e fazer para atender o estudante com deficiência visual. Confira a seguir os principais destaques no que tange à inclusão do aluno com baixa visão.

5 itens para levar em conta na hora de incluir o aluno com baixa visão

dicas para melhorar didática no atendimento de alunos com baixa visão

ILUMINAÇÃO

Qual a qualidade e a quantidade de luz disponível no ambiente? O cuidado para que a iluminação proporcione mais eficiência e conforto visual faz toda a diferença. O professor, então, deve:

  • Observar se os ambientes em sala de aula, escadas, entradas e corredores estão iluminados e se a luz é bem distribuída.
  • Posicionar o aluno de forma que a claridade não incida diretamente sobre os seus olhos ou gere sombras que atrapalhem sua leitura e escrita.
  • Notar se há reflexos na lousa.
  • Evitar superfícies muito polidas ou brilhantes, que ofuscam facilmente com a incidência da luz. Ou seja, dar preferência ao quadro negro ao branco, e a materiais didáticos em papel fosco àquele utilizado em revistas.

A cientista social e especialista em educação especial, Gloria Romagnolli, orienta também que o professor sente na carteira do aluno e converse com ele se é necessária alguma modificação no ambiente.
Ela indica usar uma cortina ou um anteparo na janela para controlar a entrada de luz e o reflexo no quadro. Ou o uso de uma luminária ajustável e portátil para o aluno. O docente deve considerar até mesmo inverter a mesa, sentando o aluno com as costas para a janela.
Outro recurso que ela destaca para controlar a reflexão da luz é o tiposcópio. É como uma régua vazada, que pode ser feita em papel cartão preto, com uma abertura retangular com cerca 19 cm de comprimento por 1 cm de altura.

dicas para melhorar didática no atendimento de alunos com baixa visão

CONTRASTE

O aumento do contraste favorece a percepção visual. O mais comum é o contraste preto no branco, mas outras variações em alto contraste podem ser testadas para ilustrar gráficos cartazes, etc.

Lousa

  • Nas lousas brancas escrever com canetas pretas, já nas lousas escuras, optar pelo giz branco.
  • Verificar se está bem limpa. Escrever sobre a lousa mal apagada prejudica o contraste.
  • Sublinhar o texto com outra cor para destacar palavras ou frases.

 

Leitura e escrita

  • Orientar a família a comprar cadernos com pautas bem escuras e até mesmo reforçar as pautas com caneta.
  • Avaliar se é o caso de aumentar o espaçamento das pautas (linha dupla).
  • Pensar na preferência da pauta em uma folha no formato paisagem para escrever mais palavras em uma linha.
  • Recomendar o uso de caneta esferográfica ou de ponta porosa preta.
  • Bem como de lápis 4B ou 6B, que têm o grafite mais escuro, e de borrachas adequadas, que não deixem borrões.
  • Desenvolver material com fontes negritadas.
  • Testar o uso de acetato amarelo sobre as páginas de leitura. Ele reduz a luz emitida e aumenta o contrate.

 

Cópias

  • Entregar ao aluno com baixa visão as primeiras cópias xerocadas ou feitas em mimeógrafos, pois elas têm mais contraste. E verificar se, mesmo assim, é preciso reforçar os traços.

dicas para melhorar didática no atendimento de alunos com baixa visão

CORES

A percepção de cores varia caso a caso. Em geral, as cores mais fortes são percebidas com mais facilidade. Contudo essa não é a realidade da diagramação e das ilustrações dos livros didáticos, que usam tons muito claros para o aluno com baixa visão. Por isso:

  • Contornar as imagens de mapas, figuras e formas geométricas.
  • Trazer recursos alternativos que destaquem em relevo os detalhes que não podem ser percebidos através das cores.

dicas para melhorar didática no atendimento de alunos com baixa visão

TAMANHO DAS FONTES E DAS IMAGENS

Há duas formas de ampliação para o aluno com baixa visão e elas podem ser usadas ao mesmo tempo: a sua aproximação ao que se quer ver e o aumento utilizando recursos gráficos ou ópticos. Cabe ao professor:

Posição

  • Encontrar com a criança a distância ideal da lousa.
  • Deixá-la aproximar o material de leitura para perto dos olhos. Isso não prejudica a visão. Para isso, usar uma prancha inclinada e verificar o melhor ajuste de posicionamento e postura.
  • Permitir que ela movimente sua cabeça buscando a posição que mais favorece o uso do seu campo de visão.

tecnologia assistiva para leitura de aluno com baixa visão

Tipo e tamanho da letra/imagens

  • Usar fontes sem serifa e que não sejam condensadas. As mais indicadas são ARIAL e VERDANA.
  • Optar pela letra bastão (maiúscula). É mais difícil para o aluno com baixa visão a leitura em letra cursiva.
  • Apresentar o texto com fontes gradativas de aumento para descobrir o tamanho ideal para o aluno. E adotar o tamanho 24 em provas e materiais de uso coletivo, pois contempla a maioria das pessoas com baixa visão.
  • Escrever na lousa com letra maior e manter uma boa organização do texto, com bom espaçamento entre palavras e linhas.
  • Reduzir as imagens se a deficiência visual causar encolhimento do campo visual periférico.
  • Recorrer ao computador para adaptar o tamanho das imagens e das fontes, porque garante a uniformidade dos caracteres e dos espaçamentos, sem reduzir o contraste, como acontece com o uso de fotocopiadora (xerox).

Se houver disponibilidade de recursos ópticos, como lupas para leitura de perto e telescópios para a leitura na lousa, pensar as adaptações já considerando o seu uso.

dicas para melhorar didática no atendimento de alunos com baixa visão

CORES

O professor pode ainda:

  • Encorajar a criança a conhecer o espaço da sala de aula, reconhecer a posição dos móveis e onde estão dispostos os materiais, murais e qualquer recurso de acesso dos estudantes.
  • Organizar a informação no quadro ou em folhas de exercícios. O excesso de informação e o conteúdo mal distribuído causam poluição visual.
  • Entregar antecipadamente impresso (ampliado e em contraste) ou em formato digital o que será escrito na lousa e apresentado em sala, bem como conteúdos matemáticos e gráficos complexos que serão explicados. E, ainda, ler em voz alta o que está sendo escrito.
  • Proporcionar um tempo extra para realizar as atividades e provas, e permitir a conclusão em casa ou no contraturno da escola dos exercícios dados em sala.
  • Pedir para que um colega copie as atividades passadas em classe com carbono. Assim o aluno com baixa visão pode fazer as tarefas e estudar mais facilmente em casa.
  • Descrever as ilustrações nos livros didáticos e livros de história, gráficos, mapas, vídeos, fotografias etc. (audiodescrição).
  • Sempre que possível, optar por gravuras simples, com poucos detalhes, contrastes intensos, cores vivas e contornos bem definidos.
  • Expressar-se verbalmente com o estudante, pois ele pode não distinguir suas feições e gestos.
  • Dirigir-se sempre a ele pelo nome e evite advérbios de lugar, como “aqui”, “ali”…
  • Promover uma aula dinâmica, que intercale cópia do quadro, leitura, ditado, atividades individuais e em grupo, reduzindo a fadiga visual.

Não é complexo, mas é um trabalho sob medida, pois o que uma criança com visão subnormal consegue ver é muito variável. Por isso, convido você a entender mais no link desta publicação em que explico de tudo um pouco sobre baixa visão.

Ah… e se você tem outras dicas para incluir aqui nessa relação de adaptações, compartilhe nos comentários!

*** Esta publicação é voltada especialmente para o atendimento de crianças com algum déficit visual ou baixa visão, sem outros comprometimentos neurológicos associados. ***

Saiba em primeira mão

Receba as atualizações do blog . Elas são esporádicas e não lotam sua caixa de mensagens. 



Compartilhe e ajude-nos a cuidar da visão na infância!